Essa tal fase adulta

16:48 Ana Flávia Sousa 18 Comments


Enquanto caminho pelas ruas de uma capital um pouco distante da minha origem, sempre me pego observando os vários moradores desta grande roça. Se me distraio, já fiz uma análise completa da vida do pedestre que passou há um segundo do meu lado, e fico imaginando os sonhos que a pessoa teve e se os realizou.  Quando vejo graciosos idosos, inevitavelmente lembro-me da vovó, e meu peito enche de saudade. Imagino se esses velhinhos tiveram a oportunidade de concretizar todos os planos que um dia, bem antes do século virar outra vez, fizeram. Talvez, objetivos como os meus, sonhados e imaginados nas caladas da noite, entre uma prece e um pai-nosso, nos seus vinte e poucos anos. Passo ao lado de um senhor de cabelos brancos e pele marcada pelo tempo, e penso se chegarei a esta idade. Tomara, pelo amor de Deus.  

Lembro de quando esperava a chegada dos quinze anos e, cai do cavalo ao descobrir que quando os quinze chegam, os outros anos vem sem parar, sem ao menos nos deixar respirar.  Aos dezoito, realizei uma coisa que queria muito: deixei o conforto da casa dos meus pais para estudar em uma cidade grande e morar quase sozinha. Aos dezenove, tinha medo de que quando os vinte chegasse, eu correria contra o tempo e agora com vinte e quatro só tô tentando entender o que é esse negócio de vida de adulta e o que a vida tá esperando de mim.

A gente imagina que depois que se formar, tudo vai se encaixar como um quebra-cabeça e que a graduação era a peça que faltava para estar empregada e com a vida ganha. Seis meses de formada, nem a carteira do conselho chegou, troquei de emprego duas vezes e ainda não sei dirigir. Sigo comendo miojo de tomate quando o marido não tá em casa e burlando as idas à academia desde que voltei das férias. Continuo acreditando que todos os problemas se resolvem com uma panela de brigadeiro e até agora, a única coisa em que eu sou boa mesmo, é em fazer bolo de cenoura. Tem alguma coisa muito errada nesse cálculo que eu fazia anos atrás, esse negócio de crescer tá meio que fora dos eixos.

Ao pensar lá na frente a sensação é de medo, porém não da velhice, porque já disse que quero ficar bem velhinha. A minha preocupação é se eu finalmente estarei bem na carreira, se o marido estará feliz na dele, se os filhos que virão terão saúde e se teremos tempo de ensiná-los os valores que importam. Se vamos ser bons o bastante para entregar bons cidadãos pro mundo e se o mundo estará um pouco melhor para recebê-los. E se, pelo amor de Deus, ainda vai ter água, porque eu sou meio que viciada nisso e tô meio apavorada.

A gente meio que idealiza o que ainda está por vir, mas aparentemente, a vida acontece devagar e a gente tem que se acostumar. Não é que não estejamos correndo atrás o suficiente, talvez apenas não seja a hora. O que sei, é que ser adulta as vezes é uma barra, como todas as fases que já passaram e que ainda vão chegar e a gente é que tem que saber levar, na maior classe possível. Mas vezenquando a gente desaba e corre pro colo mais seguro, chora um mar inteiro, escreve um desabafo sem sentido, intensifica as orações, acende umas velas e faz umas promessas, porque sem fé é que não dá pra esperar algo do que ainda está por vir.

>>Vem ler também os textos sobre crescer da , da Babi, e da Magdinha ♥

BEDA 18|31


18 comentários:

  1. Nana, é essa tua doçura, esse teu olhar sobre a vida que te levam pra frente.
    Mesmo que tudo pareça não estar indo muito bem, é essa tua vontade de vida tão nítida que te carregará prum futuro lindo. Os erros e acertos fazem parte de tudo, mas você vai lidando bem, com fé, cuidado, e uma pitada de humor que não dá pra não esboçar pelo menos um sorriso ao ler suas palavras.
    E que essa doçura tão própria da infância seja sua eterna companheira, lhe fazendo se reencantar com a vida, todos os dias.
    Love tu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Magadinha, tomara!
      Eu ainda me acho muito menina as vezes.
      Love you. <3

      Excluir
  2. Ana, você é uma menina linda ♥ Fico desenhando tudo que tu narra aqui na minha cabecinha, porque afinal ser adulto é isso mesmo: não pode mentir que tá com dor de barriga pra não ir pra escola, e saber que a gente é livre pra comer essa panela, mas que a balança vai estar ali, sempre na nossa cola. Sou mais nova que você, mas você tem algo tão de "garota", que acho lindo demais "da conta" :)) Que você sempre tenha um colo, quando o desespero bater, e ó: a gente tá aqui, de longe torcendo pra que água não acabe (pelo amor de Deus. Minha cidade já está quase na terceira etapa do racionamento :~ ), o mundo melhore e que você realize esses pequenos sonhos que fazem seu coração sorrir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente fica nessa de menina e mulher né, as vezes confunde. hahaha
      Beijo Rê.

      Excluir
  3. Que lindo! O texto soa tão natural, que pareceu que eu estou ouvindo você falar (apesar de não fazer ideia de como é sua voz, mas crio uma aqui) e não lendo!
    Realmente, depois dos 15 anos, o tempo passa tão rápido. Esse ano eu completei 20 e é tão estranho pensar que eu já estou com 20, porque não me sinto assim! Parece que ainda to parada lá nos 15/16. É meio bizarro.
    Eu nunca fui daquelas crianças que ficava querendo crescer logo, na verdade eu aproveitava bem o momento e hoje fica aqui me lamentando por não estar mais vivendo aqueles dias. Tudo era tão simples, tão facil. Eu não tinha que me preocupar com nada além do que eu e a minha irmã iríamos brincar no dia seguinte.
    Mas a gente tem que crescer, né? O jeito é ir seguindo com a vida, aproveitar os momentos bons e aproveitar ao máximo, porque igual eu sinto saudade dos 10 anos, daqui um tempo eu sei que vou sentir saudade dos 20... E assim vai seguir hahahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que saudade dos 20. hhahahahah
      Só de ainda ser estagiária nessa época já era um alívio. hahaha
      Eu acho que fui meio precoce, comecei a namorar cedo e acaba que a gente é obrigada a crescer.
      Mas é bom, só é difícil. hahaha

      Excluir
  4. " A gente imagina que depois que se formar, tudo vai se encaixar como um quebra-cabeça e que a graduação era a peça que faltava para estar empregada e com a vida ganha. " Acho que isso é mal de mineira só pode HAHAHAHAH eu pensava a mesma coisa (sabe de nada inocente!) eu acho que depois que a gente forma uma se inicia uma fase da fase adulta, por ai o bicho pega. Lembro que quando estava formando a gente brincava: "HOJE EU SOU ESTUDANTE AMANHÃ DESEMPREGADA" e apesar de ter ido morar sozinha desde cedo, minha ficha só caiu que eu já não era mais aquela adolescente sonhadora quando eu me vi formando, foi quando eu finalmente percebi que a muito tempo a fase adulta já tava batendo ali na porta.
    Eu amo a forma como você trata as coisas "sérias" da vida, com tanta doçura e suavidade, seja sempre assim que com certeza tudo será mais fácil!

    Te amo! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Babi, ter me formado acho que foi a pior da crise. hahahahaha
      Ter que ter um emprego decente pra responder quando perguntarem sabe?
      Fico super sem graça quando me perguntam sobre.

      Beijo, te amo <3

      Excluir
  5. Ai, amiga, que lindo esse texto. Me identifiquei tanto que to aqui sem saber o que te dizer. Acabei de me formar, tenho emprego, mas até quando né? Ser adulto é muito difícil, às vezes só uma trufa melhora nossa vida (porque eu não gosto de brigadeiro de panela dsclp). Espero que todos teus medos e anseios sejam levados com o tempo e que tudo fique bem. Pra todas nós. <3

    Beijos!
    ( e desculpa ter sumido :( )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi? Não gosta de brigadeiro de panela, miga, como assim?
      Tomara que as coisas aconteçam com a gente né? Tô meio com (MUITO) medo.
      Beijos, e não se preocupe. :)

      Excluir
  6. eu amo adorei o que tu escreveu Nana. Escrevi um pouco sobre essa ideia errada que a gente tem quando mais novo, mas nem cogitei pensar na gente lá do futuro. Será que a gente cresce a medida que envelhece?

    Beijo More.
    adorei o #desafioassvvamosseajudarnobeda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara né Sis?! Acho que sim, o negócio é que as coisas tem seu tempo mesmo e as vezes a gente quer pra ontem.

      Beijo amore. ♥

      Excluir
  7. Ai amiga, esse negócio de vida adulta é realmente muito complicado... porque é sempre totalmente diferente do que a gente imaginou. Vamos rir disso tudo aos 30, quando já estivermos acostumadas. Né?

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai amiga, tomara né?
      Vamos torcer. hhahaha

      Beiijão <3

      Excluir
  8. Nossa Ana, parece que fui eu quem escreveu esse texto porque eu tenho esses mesmos medos, essa mesma sensação de que o tempo passou rápido demais e que a vida adulta é tão diferente do que imaginava. Acho que é a crise dos vinte e poucos haha.

    Ótimo texto.

    Beijos

    http://amorticinio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser a crise de recém formada, sei lá.
      Formei bem no meio da crise. haha

      Beijos

      Excluir
  9. A vida adulta tem seus poréns, e não é nem de longe tão fabulosa quanto a gente pensa quando é criança, mas sabe que não estou achando nem de longe tão ruim? Acho que todas as fases têm seus pontos positivos e negativos, e no fim das contas a vida passa rápida e lenta ao mesmo tempo, como você falou. Rápida porque os anos voam um atrás do outro e não tem nada que a gente possa fazer para parar, e lenta porque a gente olha em volta e percebe que ainda não conseguiu tudo o que achou que teria conseguido quando imaginamos o hoje lá atrás. Mas sabe o que? Se vamos ficar velhinhas, é melhor que as coisas corram mais devagar mesmo, ou daqui a pouco tudo já vai ter acontecido e a vida vai virar uma grande chatice.

    Confia, que vai dar tudo certo. Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Palo, se vamos ficar bem velhinhas, as coisas acontecem mais devagar né? Pra não perder a graça. haha

      Beijos.

      Excluir

:)