Daí escrevo

14:36 Ana Flávia Sousa 12 Comments

Quando criança costumava chorar demais, e confesso que as coisas não melhoraram muito de lá até aqui. Sabe, meu  copo d'água de emoções é pequeno e transborda fácil em rios de sentimentalismo. Uma novela mexicana completa correndo nas minhas veias e a platéia sempre sem  paciência de acompanhar o desenrolar desse dramalhão feminino. Daí escrevo. Escrevo porque o papel é mudo e não reclama muito das palavras confusas que redigo em cima dele. Escrevo porque o papel compreende mais as tristezas e mazelas da alma da gente, que as pessoas de carne e osso. Escrevo porque ele não reclama. Vezenquando escrevo chorando também, que é pra não ficar nada guardado no peito. Escrevo pra algemar a tristeza nas palavras pra ela virar poesia, mas não sou muito talentosa pra isso. Nem pra tristeza, nem pra poesia. Daí escrevo doçuras. A escrita eterniza, é pra sempre. E meu riso fácil prefere que ele seja eternizado naquela folha em branco. Ele quer se sobrepor à qualquer sentimento que faça doer o peito e me pede os lápis multicoloridos pra enfeitar a melancolia, pra ela ficar sorrindo. Escrevo todo sentimento que passa aqui por dentro, e as angústias não ficam de fora, mas a alegria maior que anda invadindo minha vida a transforma rapidinho em palavras suaves, sem peso e pesar. Guardo meus rabiscos num pote de açúcar que é pros momentos de depressão não chegarem perto, que é pro sentimento virar melado e a tristeza ficar no passado. Daí escrevo, munida do poder das palavras, que é pra algemar a tristeza com sorrisos e condená-la a prisão perpétua com a felicidade.



(desafio de segunda-feira, do grupo blogueiros.
tema: sem talento pra algemar a tristeza. )

12 comentários:

  1. O incrível das palavras é isso... O quanto conseguimos encontrar conforto nelas e o quanto elas nos ensinam a nós mesmos... Muito linda sua escrita! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu blog, =)
    seguindo vc aqui e te convido a conhecer o meu cantinho: http://belezaeatragedia.blogspot.com/

    Segue lá tbm se gostar..
    ..bjos, Até Mais!!

    ResponderExcluir
  3. Não tem talento pra poesia? O que vc faria se tivesse então? :)
    Esse texto é pura poesia e sei muito bem tudo o que descreveu... Tambémn escrevo chorando e escrevo para entender algo que ninguém sabe explicar, o papel sempre mostra uma saída... Sortudas de nós que descobrimos no papel um amigo fiel, ele sempre está a nosso lado. ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Nada mais confortante do que recorrer ao papel e à caneta quando a tristeza escorre. Pode até ser demodê, mas quem escreve sabe o quanto isso esvazia!

    ResponderExcluir
  5. O mundo tem algemas demais para que as tristezas sejam seladas eternamente numa cela de sentimentos mais otimistas.

    Seria fácil guardar todas as decepções para observar num momento de felicidade extrema e rir disso.
    Olhar de cima é sempre mais fácil, ainda mais quando se sabe o quanto foi difícil galgar obstáculos para se chegar num topo considerável.

    Mas escreva. O papel ou o Word sempre sabem ouvir e serão pacientes para sempre. Nós que devemos colocar cores em forma de palavras.

    ResponderExcluir
  6. Isso mesmo!! é assim mesmo que a escrita nos ajuda, nos desafoga...rsrs...gostei!

    []s

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Daí escrevemos... Pra colocar pra fora o que não cabe no peito, para tentar organizar a bagunça interna, para deixar que extrapolem os limites de nós mesmas.
    Ameeeei, Aninha! Você e suas palavras lindas, cheias de doçura mesmo, que sempre encantam!
    O blog tá lindo, completamente a sua carinha! Meio, sensível e doce! Amei tudo, e tô contigo nesse retorno!
    Beijos, flor de Minas!

    ResponderExcluir
  9. Ai guria, eu ameeeei. Juro por Deus! Não tenho vindo aqui tão frequentemente (o que é uma falha) mas, a cada vez que visito e leio os textos todos que perdi, percebo o teu grande crescimento, Ana. Lindo mesmo! Somos duas choronas de alma sensível, pode ter certeza hehehehe beijoca!

    ResponderExcluir
  10. Ahh e como é bom escrever, não é?!

    Lindo, lindo, Ana!

    E escrever tem mesmo disso. Acalma, liberta, inspira, move, promove o que de melhor e de mais verdadeiro temos. Bjo querida!

    ResponderExcluir
  11. Que lindo, e ficou super poético. Acho que tu sabe sim, pegar as palavras ou os sentimentos e transformá-los em poesia. Fica doce mesmo, acho que é uma característica tua deixar as coisas mais suaves e mais bonitas. Beijão imenso.

    ResponderExcluir

:)